Olá jogadores e jogadoras, hoje pensei em escrever sobre as variações dos Veículos no Standard, porém devido ao banimento da Maravilha não tem como saber como o formato reagirá. Todavia a Ban trouxe a tona uma velha e repetida discussão nos grupos, o medo de ‘investir’ no Magic.

Então como Ex-lojista escreverei um pouco sobre minha experiência sobre cada maneira de gastar e economizar no Magic, e também vou dicas para aqueles que desejam competir.

Um hobby como qualquer outro!

Um dos maiores debates vistos na comunidade é o ‘não vale a pena investir em …’, a grande questão é, para você o Magic é um investimento ou um hobby?

Um hobby como qualquer outro tem custo, e o seu benefício vem em diversão, isso não deixa de ser verdade nesse card game, sim é possível comprar uma carta hoje e em uma semana ver seu preço triplicando, ou ver um deck valorizando ao passar dos anos, porém isso deve ser visto como um bônus e não como o objetivo (até mesmo porque na maioria das vezes o jogador não planeja vender sua carta, ou seja, o valor dela continua R$ 0,00).

Contudo sei que as vezes nosso bolso não permite ter decks competitivos em cada formato, então é claro, precisamos definir prioridades; e falando em formatos esse é o ponto no qual eu queria chegar, onde entra a grande questão:

Qual é o formato ideal para competir?

A resposta dessa pergunta é diferente para cada um, existe diversos fatores aqui que fazem ser inviável jogar cada formato, então é preciso ter calma antes de montar decks; a primeira coisa a se fazer é: conversar com o(s) lojista(s); se informar qual é o formato mais popular e quais são os dias e horários dos torneios, por exemplo, em minha cidade quase não há jogadores de legacy, e viajar cada vez que eu queira jogar é impraticável (até porque eu sempre quero jogar), logo mesmo o formato tendo grande estabilidade, eu não terei o retorno que eu quero montando um legacy.

Continuando com o exemplo de minha cidade os dois torneios que acontecem semanalmente são: Pauper e Standard, e acredito que isso seja a realidade de várias outras lojas, pois respectivamente são os formatos que exigem menor investimento e o  que dá maior retorno para Wizards e para loja (sim, diferente do que muitos jogadores pensam uma loja precisa lucrar); e aqui percebo dois públicos alvos diferentes , porem ainda há coincidências entre eles, o Pauper, formato criado no MOL e se popularizado por lojas em toda parte é um formato barato e sem rotação, ou seja consegue corresponder os anseios daqueles que não querem gastar muito com cartas e daqueles que querem ter vários decks para não entrar na mesmice; o Standard por outro lado é o formato é o formato rotativo e mais propagandeado e o formato mais polêmico (de tão polêmico vou reservar o próximo título a ele).

O Standard é caro?

Aqui o mais importante a saber é: quanto tempo você dedica ao card game semanalmente. Eu por exemplo felizmente tenho tempo extra, toda semana apareço pelo menos uma vez na loja, assim como acompanho posts ‘com validade’ do Star City Games, Channel FireBall e Hareruya, ou seja, o que eu mais quero é a rotatividade, re-aprender a jogar e ver o nascimento (e morte) de decks a cada três meses; também quero ser um jogador competitivo e talvez algum dia alcançar o nível profissional, isso é mais um ponto para o Standard, é o formato mais jogado em GP’s e PPTQ’s (Pro Tour está longe da minha realidade por enquanto); então é claro, se você é o jogador que não tem tempo pra jogar, entrar no Standard pode ser muito caro, pois talvez rotacione antes mesmo de você aprender todos os poderes do seu deck.

Outro fator importante é sobre as marés agitadas que aconteceram de Kaladesh pra cá, os Bans, teoricamente o Standard não deveria ter cartas banidas, o que não é o caso do Cóptero, Mago Refletor, Emrakul, Guardião Felidar e da Maravilha, porém como o formato é baseado em cartas e não apenas em decks boa parte das sobras dos baralhos foram reaproveitadas (Veículos por exemplo continuou vivão); mas sim, as bans deixam qualquer um com medo de montar um deck Tier 1, entretanto as Novas Perspectivas são otimistas, os profissionais acreditam num novo Standard completamente saudável e a Wizards já prometeu uma equipe de testes na criação das novas coleções.

Um Formato Universal (e que ajuda a comunidade crescer)

Agora tenho o verdadeiro MVP, o formato que jogadores de diferentes níveis (e lojistas) deveriam amar, estou falando senhoras e senhores do Draft, quem é que não gosta de abrir boosters, e ainda aqui podemos exercitar nossa capacidade de criação de decks e jogos com recursos limitados; o Draft consegue ser muito competitivo (6 rodadas no Pro Tour por exemplo) e divertido, mostrando diferentes habilidades por um preço relativamente baixo, visto que o investimento são entre 3-5 boosters (e na pior das hipóteses três deles vão pra casa). Enfim, recomendo o Draft para todos, nas primeiras vezes pode ser um formato difícil e estranho, mas com o tempo a familiaridade virá e qualquer um se apaixona, lembrando que também contribui com a venda de boosters para a loja fazendo-a crescer.

Então é isso galera, todo formato de Magic é bom, cabe cada um escolher o que lhe convém e respeitar o favoritismo do amiguinho, até a próxima.

 

 

 

Anúncios